Sábado, 15 de Agosto de 2020 07:11
86 9 99928820
Saúde Covid-19

Risco epidemiológico da Covid-19 reduz na maioria dos territórios do Piauí

É o que aponta o relatório epidemiológico desenvolvido pelo pelo grupo de trabalho do Pro Piauí.

15/07/2020 12h14
Por: Redação Fonte: CCom-PI

O risco epidemiológico para a Covid-19 passou de alto para médio na maioria dos territórios assistenciais do Piauí, delimitados de acordo com a estrutura da rede de saúde pública estadual. A informação foi levantada após análise do relatório epidemiológico desenvolvido pelo grupo de trabalho do Pro Piauí, coordenado pela Secretaria de Estado do Planejamento (Seplan) e Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi). O levantamento é feito com base nos índices de propagação da doença e nos índices de capacidade de atendimento, variáveis que são calculadas aos domingos.

A análise feita no dia 12 de julho aponta que os territórios dos municípios polos de Parnaíba, Teresina, Oeiras e Picos passaram de alto risco para médio risco. São eles: Planície Litorânea, Entre Rios, Carnaubais, Vale do Sambito, Vale do Canindé, Vale do Rio Guaribas e Chapada Vale do Rio Itaim.

Os territórios do Vale dos Rios Piauí e Itaueiras e Tabuleiros do Alto Parnaíba, que tem Floriano como município polo, além do território Serra da Capivara, cujo município polo é São Raimundo Nonato, ainda se saíram melhor, com risco médio/baixo. Já Cocais e Chapada das Mangabeiras, que tem como municípios polos Piripiri e Bom Jesus, continuam sendo de risco alto.

“O risco está sendo calculado desde o mês de junho em cima de três variáveis que avaliam a propagação da doença e três delas avaliam a capacidade de atendimento do sistema. O objetivo é calcular esses parâmetros antes da reabertura das atividades econômicas em cada uma dessas regiões. Os dados ficam à disposição do Estado para auxiliar nas avaliações e tomadas de decisão quanto à reabertura de cada um dos segmentos econômicos já estabelecidos pelo Governo do Estado”, explica o médico intensivista, assessor técnico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) e membro do COE, Bruno Ribeiro.

O índice de propagação da doença é calculado por meio do número de casos novos, de internações e de óbitos nas duas semanas anteriores. Já o índice de capacidade de atendimento leva em conta a porcentagem de leitos Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) livres, de leitos clínicos destinados para Covid-19, não ocupados, e do número de leitos com respirador por 100 mil habitantes. Dessa forma, é obtido o cálculo que determina se a região possui risco baixo, risco médio/baixo, risco médio ou risco alto.

Confira aqui o relatório epidemiológico.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.