Anuncie Aqui
Consultório_Dr_Paulo_Area_Leão_Pop_Up
Convite_Republicanos
FC_Serviços_Pop_Up
Consultório_Dr_Paulo_Area_Leão 970x90
FC_Serviços_Topo
Anuncie Aqui topo
Armazém Paraíba Monsenhor Gil 970x90
Cajuína Dona Dia 970x90
Obesidade

HGV deve realizar mais de 80 cirurgias bariátricas em 2020

Atualmente, mais de 200 pacientes estão aguardando para realizar o procedimento, contudo, é preciso seguir algumas orientações.

09/01/2020 10h01
Por: Redação
Fonte: Portal O Dia

O Hospital Getúlio Vargas (HGV) foi habilitado pelo Ministério da Saúde como unidade de Assistência de Alta Complexidade ao indivíduo com obesidade e passará a receber recursos pelas cirurgias bariátricas realizadas. O hospital já atendia a Linha de Cuidado do Sobrepeso e da Obesidade, mas com recursos estaduais e agora, com o credenciamento, o HGV vai receber subsídio do Sistema Único de Saúde (SUS) pelos procedimentos bariátricos executados.

Segundo o diretor geral do HGV, Gilberto Albuquerque, a expectativa é de que sejam realizados 80 procedimentos somente em 2020, um número superior ao esperado e realizado em anos anteriores, quando a média era de 28 cirurgias bariátricas. Atualmente, mais de 200 pacientes estão aguardando para realizar o procedimento, contudo, é preciso seguir algumas orientações.

“Não é apenas chegar e fazer a cirurgia. Tem paciente com dois anos tentando fazer regime, dieta, conscientização, treinamento para o pós-operatório. Hoje temos cerca de 28 pacientes aptos a realizar o procedimento e mais 200 em processo de habilitação. Com certeza esses pacientes deverão ser atingidos com esse benefício da cirurgia muito em breve”, comenta.

Gilberto Albuquerque destaca que a cirurgia bariátrica é uma cirurgia eletiva e, com as novas regras do Governo Federal para mutirões, ela poderá entrar nesse requisito. Para que o paciente possa realizar o procedimento, é necessário encaminhamento de um especialista.

“Se alguém se sentir obeso, deve procurar uma unidade de saúde, o médico vai examinar e conferir seu Índice de Massa Corporal (IMC). Será emitida uma ficha de encaminhamento para marcar uma consulta, no qual uma equipe multidisciplinar fará uma triagem. O paciente realizará os exames e a consulta com o cirurgião. Uma vez que se enquadra em todos os requisitos, vai para a fila de espera para a cirurgia”, relata o diretor geral do HGV.

Dependendo da condição do paciente, ele é orientado a passar por uma reeducação alimentar antes do procedimento. Alguns necessitam ainda de um trabalho psicológico ou de fisioterapia.

“Em pouco tempo, alguns pacientes já estão aptos a fazer a cirurgia. Não basta somente operar, é preciso fazer o procedimento, o paciente estando em condições que possa manter o peso. Uma vez que concluiu as condições, recebe o laudo se ele está apto a ser operado. O procedimento é mais rápido e agora que estamos habilitados, esperamos que esse ano o número de cirurgias seja maior que em anos anteriores”, disse.

Obesidade

De acordo com Gilberto Albuquerque, diretor do HGV, os índices de obesidade têm aumentado devido a dois fatores: a má alimentação e a não realização de atividade física. Ele comenta ainda que as pessoas estão optando cada vez mais por alimentos industrializados, como fast food, que possuem muitos conservantes e fazem mal ao corpo.

“No Piauí, o número de pessoas obesas ainda não é tão alto, mas a evolução está nos levando a isso. Hoje temos um número de pessoas com sobrepeso ou obesas muito maior do que a média que deveria ser. Apesar de não sermos o Estado com maior número de obesos, estamos caminhando para essa tendência. A alimentação e atividade física precisam estar sempre presente na vida da gente. Com essa industrialização dos alimentos, eles ganham em paladar, mas em saúde são altamente prejudiciais”, frisa Gilberto Albuquerque.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários