Consultório_Dr_Paulo_Area_Leão_Pop_Up
FC_Serviços_Pop_Up
Armazém Paraíba Monsenhor Gil 970x90
Cajuína Dona Dia 970x90
Consultório_Dr_Paulo_Area_Leão 970x90
FC_Serviços_Topo
30 mil para matar

Policiais Militares cobravam até R$ 30 mil para matar, diz delegado

Pelo menos dois casos foram concretizados, de acordo com as investigações.

03/12/2019 09h49
Por: Redação
Fonte: cidadeverde.com

O delegado Gustavo Jung, do Grupo de Repressão Ao Crime Organizado (Greco), é presidente do inquérito que investiga 16 policiais suspeitos de integrar quadrilha especializada em diversos crimes em Teresina. Na manhã desta segunda-feira(02), uma operação foi deflagrada para cumprir mandados de prisão e busca e apreensão dos supostos envolvidos. A ação foi batizada de Dictum que quer dizer limpeza em Latim.

Dos 16 investigados, 13 são policiais militares, um policial civil e duas pessoas comuns. Até o fim desta manhã, dez PMs, os dois homens e o policial civil haviam sido presos.

O delegado Gustavo Jung afirma que um inquérito, com 227 páginas, reúne material comprobatório para indiciar todos os investigados. Entre os crimes supostamente praticados por eles estão associação criminosa, roubo de carga, extorsão, tráfico de drogas, comércio ilegal de arma de fogo e até assassinatos.

“Cobravam de 20 a 30 mil reais para executar. Pelo menos dois casos foram concretizados”, conta o delegado. Entre os supostos alvos do Grupo, estavam “arquivos vivos” ou pessoas que poderiam atrapalhar as ações criminosas.

Gustavo Jung disse ao Cidadeverde.com que os PMS presos ocupam postos que vão de soldados a subtentes.

A investigação que resultou na prisão, iniciou há um ano, após ser identificada a participação de policiais no roubo de carga de um depósito. O delegado não soube informar qual valor os envolvidos teriam conseguido com as ações criminosas. “Foi uma razoável quantia financeira”, disse.

O secretário estadual de segurança, Fábio Abreu, declarou que, mais um vez a polícia corta da “própria carne” e deixa claro que não age com “corporativismo”. A operação foi denominada Dictum, que significa limpeza.

“É uma limpeza que estamos fazendo nas nossas instituições cumprindo o nosso dever”, disse Abreu.

O comandante da PM do Piauí, coronel Lindomar Castilho, adiantou que, se comprovada a participação dos policiais no crimes, “os destino é a exclusão” dos quadros da corporação.

Todos os policiais investigados são lotados em Teresina. Três militares estão foragidos, mas devem se apresentar nas próximas horas.

As informações foram divulgadas em entrevista coletiva, na manhã de hoje, que contou com a participação do delegado geral Luccy Keiko, delegado Tales Gomes e o Ministério Público Estadual.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários